Links

PERSPETIVA ATUAL


Still do filme 'Spring', experiência cromática de Øyvind Kolås.

Outros artigos:

2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-02-26


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



AMBIENTE RETINIANO – DE FRA ANGELICO A ØYVIND KOLÅ | PARTE 2



PEDRO CABRAL SANTO

2022-01-30




 

[Esta é a segunda parte do artigo Ambiente Retiniano – De Fra Angelico a Øyvind Kolå. A primeira parte pode ser lida aqui e a terceira aqui]

 

 

Recentemente, em 2014, Brian P. Schmidt, Maureen Neitz, e Jay Neitz propuseram um novo modelo para a visão da cor [1]. O ponto de partida é um conjunto de críticas à perspetiva dominante, tal como foi formulada a partir do artigo de De Valois e De Valois. A primeira crítica é que o modelo de De Valois, apesar de conseguir estabelecer uma base biológica hipotética para a perceção da cor, a partir das previsões de Hurvich e Jameson – e, nomeadamente, respeitando os eixos espectrais dos pares oponentes – o faz, no entanto, à custa de uma excessiva complexidade – que se traduz no “adiamento” da resolução do problema para um estágio posterior do processamento, no córtex – quando esta complexidade não assenta em nenhuma base empírica [2]. Pelo contrário, os resultados de certas linhas de investigação entram em contradição com o modelo [3]. A segunda crítica é que o modelo de De Valois não se enquadra numa perspetiva evolucionária e genética do desenvolvimento da visão tricromática nos primatas. De facto, a investigação mais recente nessa área obriga a uma revisão do modelo tradicional [4]. A terceira crítica parte de uma consideração das necessidades de eficácia no sistema visual, dados os recursos presentes na retina[5]. Nesse contexto, as vantagens do sistema de compressão e descompressão da informação, de acordo com o modelo proposto por De Valois, são questionadas por novos estudos, a partir da adoção de uma perspetiva de custo metabólico [6]. Ou seja, em contraste, são enfatizadas as vantagens de um modelo de processamento paralelo da cor[7], e a possibilidade de este assentar num número relativamente reduzido de cones e células ganglionares, em conformidade com as características dos campos recetivos ideais para obtermos a visão cromática, e a sua baixa resolução espacial [8]. É a partir daí que surge a proposta de Neitz e Neitz: um relativamente pequeno número de células ganglionares anãs, recebendo sinais não só dos cones M e L mas também dos cones S, seria responsável por uma via neuronal, independente da via P, que asseguraria a visão cromática. Esse pequeno número de células ganglionares anãs estaria organizado em quatro tipos, responsáveis pelos dois eixos de pares oponentes [9]. O modelo proposto parece responder às questões suscitadas pelo modelo de De Valois [10], além de ser confirmado por experiências recentes, com recurso a novas tecnologias [11].

Quaisquer que sejam os desenvolvimentos futuros no domínio da neurociência, o presente debate em torno do sistema visual parece-nos estimulante para a investigação daquilo que se designa por imagem. Um primeiro ponto a reter é que uma grande parte do processamento visual parece ocorrer na própria retina, que possui mecanismos extremamente especializados de tratamento da informação recebida pelos fotorreceptores. Trata-se, provavelmente, de um número não especificado de vias neuronais paralelas, recebendo cada uma o seu tipo de informação, de acordo com uma frequência espacial que está adaptada a esse tipo de informação. Nesta perspetiva, e como afirmamos, o Where e o What deixam de ser entendidos como correspondendo às duas grandes vias neuronais, mas a oposição mantém-se se os entendermos como os extremos de um leque constituído por múltiplas vias paralelas. Como um segundo ponto a reter, temos assim a importância da baixa resolução espacial na perceção. Trata-se de um conjunto de funções que operam com tempos de reação muito rápidos, e naturalmente estão mais ligadas à sobrevivência imediata. Estão nesse caso a perceção do movimento, a organização espacial global, e mesmo o reconhecimento facial. A maioria da informação visual que recebemos no dia a dia é deste tipo, e o nosso cérebro parece socorrer-se da memória para a completar sem necessitar de recorrer a uma perceção mais fina. Em consequência da sua grande presença na perceção, parece ter havido, desde muito cedo, nas práticas humanas de representação visual, uma forte tendência para calcar este processo percetivo, usando a distribuição espacial, o claro-escuro, como o ritmo que estrutura a composição e a espacialidade.

Em contraste, as funções de alta resolução operam com tempos de reação comparativamente lentos, e são ativadas por uma necessidade de perceção mais fina do espaço, quando somos confrontados com o desconhecido, ou na manipulação de objetos, ou noutras situações que implicam um exame visual detalhado. Incluem-se aqui funções muito importantes como o reconhecimento de arestas e contornos, que permite completar a perceção do espaço, o reconhecimento de texturas, e ainda de alguns traços faciais. Estes processos parecem utilizar uma grande quantidade de informação cromática sobre a forma como a luz modela o espaço, mas sem dar origem à perceção de matizes cromáticos. O olho está equipado para detetar o limite entre duas faces caracterizadas por diferentes propriedades cromáticas, em função das propriedades da reflexão luminosa. Isto dá origem a uma delimitação muito precisa das propriedades espaciais, que também encontrou desde muito cedo expressão na representação, sob a forma do desenho linear.

Um outro aspeto é a perceção da cor, ou mais exatamente dos matizes cromáticos. Uma grande parte da informação cromática parece não ser usada com esse fim, mas antes – como já referimos – para a perceção fina do espaço. A perceção de matizes cromáticos parte provavelmente – como também já referimos – de um número relativamente pequeno de cones, e caracteriza-se por uma baixa resolução espacial, e tempos de reação relativamente lentos. Assim, em função das necessidades de sobrevivência da espécie, a cor não assume de imediato um papel de primeiro plano. É colocado maior enfâse na perceção do movimento e do espaço, e a cor, ainda que importante. vem depois, complementando a identificação de determinados objetos, como por exemplo animais ou frutos. Este facto encontra correspondência no modo como a representação trata tradicionalmente a cor, submetendo-a hierarquicamente à forma, ou, nos casos nos quais a cor se autonomiza e é valorizada em si mesma, fazendo-o em função da atmosfera luminosa.

Assim, podemos dizer que, globalmente, a representação se desenvolveu apoiando-se nos dispositivos fisiológicos de processamento da informação visual, que resultam das necessidades de perceção do meio ambiente pelo organismo, e estão já presentes na própria retina. A partir desses elementos fisiológicos de base, a perspetiva tradicional a partir da qual se desenvolveu a produção de imagens pictóricas foi a de criar dispositivos técnicos – ou seja, modos de fazer – que, apoiando-se precisamente nessa base fisiológica, se constituíam como processos eficazes de manifestar o investimento simbólico que o organismo opera sobre os conteúdos percetivos – prolongando, e expandindo, fenómenos que já se observam no comportamento animal, na exibição de padrões coloridos, nas danças, e nos cantos, associados ao acasalamento, à marcação do território, etc. Ora, a partir de um determinado momento histórico, esse modo tradicional de estruturar simbolicamente o mundo é colocado em questão, surgindo uma nova atitude, que podemos identificar como «crítica». É nesse contexto que podemos falar de «arte moderna» como «desconstrução» do simbólico. E, na medida em que essa desconstrução se pode apoiar no estrato elementar dos processos fisiológicos de codificação do aparelho percetivo, poderá verificar-se uma aproximação ao trabalho que a ciência realiza na mesma área.

Veja-se o caso do artista Øyvind Kolås, cujo trabalho se apoia na exploração de puras ilusões óticas, nas quais o cérebro é levado a ver uma imagem colorida, onde esta não existe verdadeiramente. Kolås utiliza imagens a preto e branco, às quais sobrepõe uma subtil grade cromática designada por «grade de assimilação cromática». O efeito produzido é surpreendente: as imagens a preto, cinza e branco passam a ser percecionadas como coloridas. Na realidade, o autor tira partido de um fenómeno que poderá ser explicado pelo facto de o nosso dispositivo de perceção visual estar organizado em múltiplos canais, transmitindo informação distinta ao córtex, e caracterizados por distintas resoluções espaciais. Em particular, de acordo com Neitz e Neitz, o canal que transmite a informação sobre os matizes cromáticos é caracterizado por uma baixa resolução espacial, em contraste com outros canais que se caracterizam por uma alta resolução espacial, como é o caso dos canais que transmitem informação sobre a perceção fina do espaço, ou mesmo sobre texturas. O facto de o canal que transmite informação sobre os matizes cromáticos ser caracterizado por uma baixa resolução espacial implica uma sensibilidade a baixas frequências espaciais. Assim, as «grades de assimilação cromática» de Kolås vão corresponder, quando o espetador se coloca a uma distância adequada das imagens, a uma baixa frequência espacial na retina, frequência que vai ativar a perceção dos matizes cromáticos. Este fenómeno torna-se muito mais compreensível a partir do modelo da perceção cromática proposto por Neitz e Neitz, que implica, como vimos, uma via neuronal especializada na perceção de matizes cromáticos, e caracterizada por uma baixa resolução, enquanto que o modelo de De Valois e de Valois seria obrigado a remeter a explicação para uma especulação sobre mecanismos de processamento da informação ocorrendo no córtex.

Na verdade, Kolås, que também é um cientista, cujo trabalho se desenvolve na área dos algoritmos para otimização de imagens digitais [12], parece produzir o seu trabalho artístico em relação com os problemas de processamento da imagem digital. Todavia, estes problemas são de facto paralelos àqueles que a neurociência se coloca, sendo a imagem digital obrigada, como qualquer outra tecnologia da imagem, a corresponder às determinações fisiológicas. Mas não é exatamente aí que o trabalho do artista produz o seu sentido. As suas imagens são, antes de mais, extremamente banais, representando grupos de pessoas, aparentemente estudantes, em situações quotidianas indistintas. Por outro lado, apesar de a ilusão produzida ser evidente, parece não haver a intenção de que esta seja perfeita mas, pelo contrário, de que o espetador tenha a possibilidade de exercer um certo controlo sobre a mesma – ou, pelo menos, é por aí que parece passar a sua eficácia. O efeito é um pouco como que a exposição de um mecanismo da perceção visual e da produção técnica de imagens pictóricas, exposição que arrasta consigo um questionamento da «verdade» das imagens – questionamento que será corrente para a filosofia, mas é estranho ao olhar sobre as imagens num mundo no qual estão permanentemente presentes. Temos, assim, uma manifestação muito direta da instabilidade da imagem – situada tanto na sua própria natureza enquanto objeto técnico, como na natureza dos mecanismos percetivos. Ora, como já vimos, essa instabilidade da imagem pode ser entendida como um traço distintivo da arte moderna. A novidade introduzida por Kolås parece ser que essa instabilidade se torna interpelante a um nível muito direto e básico – mesmo para um público muito vasto e formalmente impreparado. Mas pode um sublinhar crítico da instabilidade da imagem encontrar a sua contrapartida num público coerente? Este problema, contido na própria experiência histórica da modernidade, parece exacerbado pelo autor em questão. Não será a instabilidade da imagem equívoca? Não será a essa equivocidade, e ao prazer que daí retira, enquanto reforço do simbólico, que o público adere?

 


Pedro Cabral Santo
Estudou Pintura e Escultura nas Faculdades de Belas-Artes de Lisboa e Porto, especializando-se nas áreas expressivas afetas à instalação e à vídeo-instalação. Em paralelo, nos últimos 20 anos, tem vindo a desenvolver as atividades de artista plástico e comissário de exposições.
 


 
:::


Notas

[1] Ver Brian P. Schmidt, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Neurobiological Hypothesis of Color Appearance and Hue Perception».
[2] Ver Ver Brian P. Schmidt, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Neurobiological Hypothesis of Color Appearance and Hue Perception», p. 196.
[3] Ver É o caso da persistência de uma percepção normal da cor em pessoas que sofrem de uma deficiência da visão nocturna que, de acordo com o modelo de De Valois, implicaria a ausência de processamento da informação proveniente dos cones S: ver Hiroko Terasaki, Yozo Miyake, Ryoji Nomura, Masayuki Horiguchi, Satoshi Suzuki, e Mineo Kondo, «Blue-on-Yellow Perimetry in the Complete Type of Congenital Stationary Night Blindness» (Investigative Ophtalmology & Visual Science, 40 (1999): pp. 2761-2764).
[4] Ver Ver Katherine Mancuso, Matthew C. Mauck, James A. Kuchenbecker, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «A Multi-Stage Color Model Revisited: Implications for a Gene Therapy Cure for Red-Green Colorblindness» (in Robert E. Anderson, Matthew M. La Vail, Joe G. Hollyfield (eds.), Retinal Degenerative Diseases: Laboratory and Therapeutic Investigations. New York: Springer, 2010, pp. 631-638), pp. 633-637.
[5] Ver Ver Sara S. Patterson, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Reconciling Color Vision Models With Midget Ganglion Cell Receptive Fields» (Frontiers in Neuroscience, 13: 865 (August 2019), pp. 2-7).
[6] Ver Ver, em particular, János A. Perge, Kristin Koch, Robert Miller, Peter Sterling, e Vijay Balasubramanian, «How the Optic Nerve Allocates Space, Energy Capacity, and Information» (The Journal of Neuroscience, 29: 24 (June 2009): pp. 7917–7928); e Kristin Koch, Judith McLean, Ronen Segev, Michael A. Freed, Michael J. Berry II, Vijay Balasubramanian, e Peter Sterling, «How Much the Eye Tells the Brain» (Current Biology, 16 (July 2006): pp. 1428–1434).
[7] Ver Ver Simon B. Laughlin, «Energy as a Constraint on the Coding and Processing of Sensory Information» (Current Opinion in Neurobiology, 11 (2001): pp. 475–480).
[8] Ver Sara S. Patterson, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Reconciling Color Vision Models With Midget Ganglion Cell Receptive Fields», pp. 2-4.
[9] Ver Brian P. Schmidt, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Neurobiological Hypothesis of Color Appearance and Hue Perception», pp. 197-202.
[10] Ver Brian P. Schmidt, Maureen Neitz, e Jay Neitz, «Neurobiological Hypothesis of Color Appearance and Hue Perception», pp. 202-205.
[11] Ver Ramkumar Sabesan, Heidi Hofer, e Austin Roorda, «Characterizing the Human Cone Photoreceptor Mosaic via Dynamic Photopigment Densitometry» (PLoS One, 10: 12 (2015): e1003652); Alexandra Kling, Greg D. Field, David H. Brainard e E. J. Chichilnisky, «Probing Computation in the Primate Visual System at Single-Cone Resolution» (Annual Review of Neuroscience, 42 (2019): pp. 169-186); Brian P. Schmidt, Alexandra E. Boehm, William S. Tuten, e Austin Roorda, «Spatial Summation of Individual Cones in Human Color Vision» (PLoS One, 14: 7 (2019): e0211397); Ramkumar Sabesan, Brian P. Schmidt, William S. Tuten, e Austin Roorda, «The Elementary Representation of Spatial and Color Vision in the Human Retina» (Science Advances, 2: 9 (2016): e1600797); Brian P. Schmidt, Ramkumar Sabesan, William S. Tuten, Jay Neitz, e Austin Roorda, «Sensations from a Single M-cone Depend on the Activity of Surrounding S-cones» (Scientific Reports, 8: 1 (2018): 8561); e Brian P. Schmidt, Alexandra E. Boehm, Katharina G. Foote, e Austin Roorda, «The Spectral Identity of Foveal Cones is Preserved in Hue Perception» (Journal of Vision, 18 (11): 19 (2018): pp. 1-18).
[12] Ver Øyvind Kolås, Ivar Farup, e Alessandro Rizzi, «Spatio-Temporal Retinex-Inspired Envelope with Stochastic Sampling: A Framework for Spatial Color Algorithms» (Journal of Imaging Science and Technology, 55: 4 (2011): pp. 040503-1–040503-10).


:::


Bibliografia

[consultar Parte 1]