Links

PERSPETIVA ATUAL


Fra Angelico, Retábulo de Perugia, 1447.


Fra Angelico, Virgem com o Menino, painel central do Retábulo de Perugia, 1447.


Fra Angelico, Retábulo de Perugia, 1447. Detalhe mostrando o Milagre do Navio de São Nicolau.


Gentile da Fabriano, São Nicolau Salvando um Navio da Tempestade, 1425. Político de Quaratesi.


Gentile Da Fabriano, Adoração dos Magos, 1423.


Gentile Da Fabriano, Adoração dos Magos, 1423. Detalhe, painel esquerdo.


Leonardo da Vinci, Virgem dos Rochedos: 1ª versão 1483 a 1486, 2ª versão 1494-1508.

Outros artigos:

2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-01-30


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



AMBIENTE RETINIANO – DE FRA ANGELICO A ØYVIND KOLÅ | PARTE 3



PEDRO CABRAL SANTO

2022-02-26




 

[Esta é a terceira e última parte do artigo Ambiente Retiniano – De Fra Angelico a Øyvind Kolå. A primeira parte pode ser lida aqui, a segunda aqui]

 


O trabalho de Øyvind Kolås proporciona, talvez, um olhar crítico sobre a arte moderna, enquanto questionamento e instabilidade da imagem. Para o aprofundarmos, vamos agora voltar-nos para um artista ao qual não poderemos chamar moderno, mas que pertence, como referência recorrente, à definição do próprio conceito de arte moderna. Trata-se de Fra Angelico. E, mais exatamente, de um pequeno painel pintado a têmpera, que se encontra atualmente no Museu do Vaticano, mas foi concebida como painel central da predela do Políptico de Perugia, executado cerca de 1437 para o altar-mor da Capela de São Nicolau, na Basílica de São Domingos em Perugia [1]. Os três painéis principais do retábulo representam a Madonna e o menino acompanhados de quatro santos em poses estáticas, pintados sobre um fundo dourado, como era tradicional nos retábulos deste período. Estes painéis serviam de peça central ao culto, enquanto que as pinturas da predela, como também era comum, cumpriam uma função didática, contavam uma história e serviam, ainda, de entretenimento. Os painéis da predela foram construídos em forma de retângulo, em conformidade com o novo gosto renascentista, e contam a vida de São Nicolau, nos seus diferentes episódios.

O painel central representa São Nicolau como o patrono dos marinheiros. O cais aparece num primeiro plano em jeito de filete horizontal que atravessa toda a pintura. O próprio São Nicolau aparece aqui agraciando a cena. Ao fundo, o mar, formando uma baía, em tons verde-escuros, do lado esquerdo, e castanho-esverdeado, e apresentando alguma agitação, do lado direito. Do lado esquerdo, dois navios estão fundeados na baía, enquanto que, do lado direito, fora da baía, um terceiro parece envolto pela tempestade. No recorte da baía aparece uma elevação em tons rosa, com um forte no seu cimo. No horizonte, um céu que da esquerda para a direita estabelece um arco de luz claro-escuro em tons cinza. E temos pela segunda vez o santo representado. Agora aparece por entre as nuvens, olhando para o interior de um dos navios, no qual se veem marinheiros juntos, em pose de oração. Na verdade, o painel justapõe a narrativa de dois milagres de São Nicolau: à esquerda, o Milagre do Cereal – no qual o santo, quando a fome assolava Myra, convence os marinheiros que levavam o trigo ao imperador a descarregar o necessário à alimentação da cidade, garantindo-lhes que o peso que transportavam não diminuiria. À direita, o Milagre do Navio – no qual, durante uma tempestade, os marinheiros de um navio em perigo invocam em seu auxílio o santo, que surge efetivamente no navio e os ajuda a salvá-lo.

O dispositivo narrativo é desconcertante, e a sua leitura é estranhamente sublinhada pela modelação luminosa. De facto, o já referido arco luminoso, que domina toda a atmosfera deste painel, articula a passagem de uma cena para a outra, o que nos outros painéis acontecia a partir da construção espacial, nomeadamente através dos elementos arquitetónicos. No conjunto da predela, é notório que Fra Angelico não respeita a unidade espacial, que era a condição do dispositivo narrativo que se exprimia no conceito de istória, avançado à época por Alberti, e exemplificado pela prática de Masaccio. Na predela. o espaço é um patchwork de elementos arquitetónicos espacialmente contraditórios. Esse espaço contraditório – que, decisivamente, ainda se constitui, apesar de tudo, na aparência de um espaço cénico – permite a Fra Angelico articular, num mesmo painel, já não os diferentes momentos de um mesmo episódio, como em Masaccio, mas diferentes episódios disjuntos. No painel central, a articulação dos dois episódios que já referimos não é feita através deste dispositivo arquitetónico. Neste caso, Angelico, ao invés de desconstruir o espaço masacciano através da recusa da unidade perspética e arquitetónica que sustentava o desenrolar da istória, recua para os espaços – pré-masaccianos – de Lorenzo Monaco e Gentile da Fabriano – cujo São Nicolau salvando um navio da tempestade é, aliás, explicitamente citado por Angelico no lado direito do painel.

Se esses espaços não se estruturam através do recurso a elementos arquitetónicos, esta aparente regressão vai possibilitar a Fra Angelico a abordagem de um outro problema: a luz e a sua unidade. Por um lado, toda a pintura parece flutuar num ambiente atmosférico tridimensional: quando a sua estrutura é analisada em pormenor, podemos constatar que não existe uma perspetiva dominante, e que esta é usada localmente e de um modo extremamente fragmentário. Basta que observemos as proas dos navios para que imediatamente nos apercebamos de que os ângulos de captação são diferentes. A perspetiva não é usada para estruturar o espaço, como apesar de tudo ainda sucedia nos outros dois paineis da predela, aplicando-se simplesmente à definição espacial dos objetos. Mas aquilo que é verdadeiramente notável diz respeito à luz, e à forma como Angelico a aplica na pintura. Começa por iluminar todo o quadro da esquerda para a direita. As cores usadas pelo pintor são, grosso modo, muito esbatidas, com relevo para o esverdeado e para um céu timidamente iluminado, ponteado com pequenos traços de cor. Apesar de Angelico demonstrar um grande domínio das técnicas de modelação espacial, nitidamente não é procurada uma grande aproximação à realidade. Mas, indo além dessa aparentemente escassa preocupação naturalística, da esquerda para a direita do painel, é a própria luz que se transforma, descrevendo, no céu, um subtil arco de luminosidade que, da esquerda para a direita, escurece e perde saturação, enquanto o seu matiz cromático se transforma progressivamente, de um amarelo esverdeado num verde azulado. Simultaneamente, o mar, que do lado esquerdo é verde escuro, torna-se, do lado direito, mais escuro e acastanhado. Por outro lado, o navio à direita, no qual os marinheiros rezam, parece ter como principal fonte de iluminação – pondo-o em relevo face à escuridão que o envolve – a luz que emana da figura do próprio santo, que surge no céu envolto num halo luminoso.

A conjugação destes fatores – perda de luminosidade e saturação, distorção cromática, iluminação local contrastada – permite-nos identificar claramente o que poderá passar despercebido a um olhar mais distraído: a transição entre uma iluminação diurna, à esquerda, e uma iluminação noturna, ou crepuscular, à direita. É também possível, a partir daí, estabelecer uma ligação entre este invulgar dispositivo e a obra de Gentile da Fabriano, que aqui Angelico parece ter querido homenagear. De um modo mais evidente, a cena representada à direita do quadro de Angelico é, como já referimos, uma citação do São Nicolau Salvando um Navio da Tempestade, de Fabriano, que se encontra atualmente no Vaticano, e era o painel central da predela do Políptico Quaratesi, executado em 1425 para o altar da capela dos Quaratesi na igreja de São Nicolau Oltrarno, em Florença. No painel de Fabriano, há uma sugestão de ambiente noturno, através dos tons profundos e escuros do mar (verde) e do céu (azul), a figura de São Nicolau surge, tal como em Angelico, sobre o navio, envolta num halo luminoso. Mas mais significativa para o dispositivo criado por Angelico, é a predela da Adoração dos Magos, hoje nos Uffizi, que Fabriano tinha executado dois anos antes, em 1423, para a capela Strozzi, na igreja da Santa Trindade, em Florença. Em particular, o painel esquerdo, que representa uma Natividade, é notável, por se tratar, provavelmente, da primeira cena noturna naturalista da pintura ocidental.

O painel é dominado pelo menino deitado no chão, envolto num halo que ilumina o centro da pintura. Do ponto de vista iconográfico, aproxima-se da Natividade que Lorenzo Monaco tinha pintado na Coroação da Virgem, ou da do Metropolitan, com as quais partilha a mesma fonte literária, uma visão de Santa Brígida da Suécia. Mas enquanto que Monaco representa a luz que emana do menino como uma auréola convencional, Fabriano reinterpreta-a como um halo que ilumina naturalisticamente todo o centro da cena. E, para completar o efeito da cena noturna, inclui ainda, no magnífico céu estrelado, duas outras fontes luminosas perfeitamente caracterizadas: a lua, no canto superior esquerdo, e a luz irradiada pelo anjo que aparece aos pastores, no canto superior direito. Por outro lado, há que considerar a aproximação à iluminação noturna, patente no contraste entre o azul do céu e os tons esverdeados e acastanhados dos montes por detrás da cena central. Se compararmos estas tonalidades com aquelas que estão presentes na segunda versão da Virgem dos Rochedos, de Leonardo da Vinci, que se encontra na National Gallery, podemos avaliar como o painel de Fabriano se encontra no início de uma linha que conduz ao rigoroso ambiente sombrio de Leonardo. E, algures nessa mesma linha, poderemos talvez situar o dispositivo desenvolvido por Angelico.

Em 1962, o historiador de arte britânico John Shearman, que enquanto discípulo de Johannes Wilde estava particularmente atento à relação das obras com a integralidade do seu contexto original [2], estabeleceu a relação entre as transformações do colorido e da composição nas duas versões da Virgem dos Rochedos, e o ideal de unidade tonal perseguido por Leonardo. Essas transformações situavam a cena no interior de uma gruta, criando as condições de baixa iluminação que permitiam conciliar naturalismo ótico e consistência plástica, produzindo assim aquela presença escultórica das formas pictóricas que devia ser o resultado da realização da unidade tonal. Esta solução do problema plástico enfrentado por Leonardo – a unidade tonal – é assim caracterizada pela subordinação do naturalismo a um critério estético, que dita a «situação naturalística ideal». Essa situação ideal vai ser – tanto na segunda versão Virgem dos Rochedos, como na Última Ceia, como na Mona Lisa – a colocação das figuras num interior, num ambiente de iluminação reduzida. O problema, mais difícil, da colocação de um grupo num espaço aberto vai ocupar, a partir daí, Leonardo, e só será resolvido através das inovações técnicas da Santa Ana. A segunda versão da Virgem dos Rochedos representa, no entanto, a situação de iluminação reduzida na sua forma mais radical. Para Shearman, o quadro, para produzir o seu efeito, deve ser visto nas condições de baixa iluminação para as quais foi concebido, no interior de uma igreja, pois é a partir do ênfase colocado no azul devido ao «desvio de Purkinje» que é produzida a unidade formal da imagem, através da qual a atenção do espetador é centrada na Virgem [3]. Parece claro, na presença dos comentários de Shearman, e perante a observação do conjunto dos valores cromáticos, que a imagem representa, de um modo bastante rigoroso, o resultado da visão mesotópica.

A visão mesotópica corresponde à transição entre a visão fotópica – que caracteriza a iluminação diurna e é mediada pelos cones – e a visão escotópica – que caracteriza a visão noturna e é mediada pelos bastonetes. Assim, se a visão fotópica é cromática, e a visão escotópica é fundamentalmente acromática [4], a visão mesotópica, na qual tanto cones como bastonetes estão ativos como fotorreceptores, caracteriza-se não só por uma redução da intensidade das sensações luminosas, como por uma distorção geral dos valores cromáticos. Com a redução da luz, as cores alteram-se na sua saturação e na sua luminosidade, que são reduzidas de um modo não linear, e no seu matiz cromático, que sofre diversas alterações complexas. Globalmente, podemos dizer que, de acordo com a descrição de Purkinje, as sensações cromáticas de maior brilho e saturação se deslocam para o extremo azul do espectro. O mecanismo fisiológico deste fenómeno parece ser a intrusão dos bastonetes nas vias neuronais retinianas responsáveis pela perceção dos matizes cromáticos. A investigação empírica tem relacionado essa intrusão com desvios na direção não só do azul, mas também do verde e do vermelho. Esses desvios parecem estar dependentes das condições de iluminação, e como, em função dessas condições de iluminação, os desvios para o verde e o vermelho parecem ter muitas vezes tendência para se cancelarem mutuamente, o desvio para o azul acabará por ter alguma preponderância. No entanto, é todo o espaço cromático que é distorcido, pois os próprios eixos dos pares oponentes são deslocados. Para os efeitos da produção técnica de imagens, os fenómenos de distorção cromática que se verificam com iluminação reduzida parecem ser dominados por Leonardo da Vinci quando, no final do Quattrocento, pinta a segunda versão da Virgem dos Rochedos. Mas é possível ver como o rigoroso domínio demonstrado por Leonardo já surge, de modo embrionário, na Natividade de Fabriano. A preocupação naturalística não tem, evidentemente, a mesma motivação, nem se subordina, em Fabriano, a um ideal estético de unidade, afirmado explicitamente. Tendo em conta que Leonardo se limita a uma iluminação mesotópica e Fabriano contrasta iluminação mesotópica e fotópica (devido ao clarão produzido pelo halo luminoso proveniente do menino) – e excluindo os acentos vermelho e rosa, resultantes, em Fabriano, da iluminação fotópica – ambas as imagens se estruturam em torno de um contraste entre um azul profundo e uma infinidade de variações sobre tons dourados, acastanhados, esverdeados – contraste que manifesta aquela distorção do espaço cromático que, como referimos, caracteriza o ambiente mesotópico.

Assim, apesar de Leonardo só poder ser considerado como eco muitíssimo longínquo de Fabriano, esse eco é distinto, não só no interesse naturalístico pela luz, como nas soluções concretas encontradas para a representação da iluminação mesótica. Que deveriam, aliás, assentar numa tradição anterior já bem estabelecida e difundida, como mostra uma extraordinária iluminura, representando Cristo em Gethsemane, proveniente das Très Riches Heures du Duc de Berry. No entanto, para além dessa tradição, a irrupção do interesse naturalístico pela luz no contexto do Quattrocento florentino, assinalado pela obra de Fabriano, vai gerar novas possibilidades de desenvolvimento. E, entre estas, aquela que se revela historicamente mais importante é a de, combinando-se com os problemas provenientes do racionalismo albertiano, dar origem, através da obra de Leonardo, ao que será o novo paradigma do Cinquecento. Ora, é em contraste com este desenvolvimento histórico que nos parece que deveremos ver o dispositivo lumínico apresentado por Fra Angelico no painel central do Políptico de Perugia.

Tal como Fabriano, Angelico combina, numa mesma imagem, iluminação fotópica e iluminação mesotópica. No entanto, enquanto que, em Fabriano, a iluminação fotópica gerada pelo halo luminoso proveniente do menino constitui um acontecimento sobrenatural que é representado no interior do próprio espaço naturalístico, enquanto acontecimento natural, em Angelico, a transição, numa mesma imagem, entre a iluminação fotópica da esquerda e a iluminação mesotópica da direita, constitui uma rutura de todo o dispositivo naturalístico, e do ideal albertiano da istória – sustentado na unidade do espaço, assegurada através da perspetiva, mas também (como vemos em Leonardo), progressivamente, através da luz.

Na verdade, Angelico justapõe dois espaços incompossíveis, segundo os dispositivos representativos dominantes à época. E fá-lo servindo-se da distorção progressiva dos valores cromáticos, nomeadamente nos pequenos traços que sublinham a luminosidade do céu, e vão – ao longo do horizonte – do amarelo esverdeado, muito pálido, na zona mais iluminada do céu, à esquerda, até um verde azulado, na zona mais escura, à esquerda. Esta transição progressiva no sentido do azul é duplicada por outra, mais brusca, e no sentido do vermelho, do mar verde da baía para o mar verde acastanhado do exterior da baía. Esta dupla transição é suficiente para produzir o ambiente mesotópica que rodeia o navio à direita – que é, ele próprio, objeto da iluminação fotópica proveniente do halo luminoso que rodeia o santo, no céu. Na economia da predela, este dispositivo luminoso do painel central relaciona-se com os dispositivos perspéticos que, nos painéis laterais, vão, igualmente, fragmentar o espaço, numa mesma recusa da unidade narrativa. Ao invés do contar de uma estória temos – apesar de começarmos com o nascimento e acabarmos na morte – uma série de acontecimentos disjuntos em ambientes espacialmente contraditórios. No seu contexto original, no altar-mor da capela de S. Nicolau, o conjunto estabelecia certamente com o observador uma relação dinâmica, na qual o posicionamento espacial, a distribuição da luz, e o movimento do próprio observador, e a direção do seu olhar, desempenhavam o seu papel, contribuindo para a eficácia ótica do dispositivo – tal como na Virgem dos Rochedos. No entanto, Angelico serve-se de meios que, nas mãos de Leonardo, serão usados para uma realização superior do ideal albertiano, para, pelo contrário, romper com esse ideal.

Esta rutura deverá ser explicada, no contexto da obra de Angelico, pela recusa explícita do ideal da istoria – a recusa que lhe é atribuída por Georges Didi-Huberman [5]. Para Fra Angelico, o sentido dos acontecimentos – em particular aqueles verdadeiros acontecimentos que, pelo seu carácter miraculoso, não são redutíveis a meros acidentes, e que, dotados assim de sentido, se tornam objeto da pintura – não é capturável num plano temporal – naturalístico e narrativo. Assim, para Angelico, a representação desse sentido implica um dispositivo totalmente diverso daquele que é proposto por Alberti. O seu modelo, de acordo com Didi-Huberman, deverá ser, não a istória, mas a figura. Não como algo meramente estático, mas, antes, atravessado por ruturas que, manifestando o que Didi-Huberman chamou dissemelhança, indicam o carácter miraculoso, extratemporal, do acontecimento no seu sentido. Essa dissemelhança pode assumir diferentes formas: um exemplo recorrente em Didi-Huberman é a representação, no contexto da pintura, de superfícies de mármore multicolor – os marmi finti, presentes nos painéis do tríptico, sobre a predela – que constituem, na sua pura visualidade, os «operadores de uma conversão do olhar» que, introduzindo a dissemelhança na figura, indica o sentido, o irrepresentável. O arco cromático, do amarelo esverdeado ao verde azulado, descrito pela luminosidade no horizonte é, porventura, também um destes operadores, um elemento puramente visual, que não representa absolutamente nada, senão o irrepresentável, a transição entre dois espaços incompossíveis.

A historiografia mostra-nos a receção da obra de Fra Angelico como que capturada, a partir do cinquecento, pela oposição, operada por Vasari, entre o dominicano e Masaccio. O resultado é que Angelico se torna – simultaneamente e sem grande contradição – o símbolo de uma sobrevivência do gótico, e um prefigurador do modernismo. E, se Roberto Longhi o reposiciona no seu tempo, é apenas à custa da sua subordinação ao génio de Masaccio. Assim, parece ser apenas a partir de um artigo publicado em 1955 por Ulrich Middeldorf, «L’Angelico e la Scultura» [6] – estabelecendo a relação da sua obra com as posições do escultor e teórico humanista Lorenzo Ghiberti – que o verdadeiro lugar de Fra Angelico no humanismo do seu tempo se vai estabelecer. Não deixa de ser no entanto verdade que o seu posicionamento algo excêntrico em relação às trajetórias dominantes do Quattrocento vai determinar o seu papel na definição do modernismo, através de autores como August Wilhelm von Schlegel e John Ruskin, e de pintores como Johann Friedrich Overbeck e, mais tarde, Manet [7]. É esta relação com Manet que nos parece fornecer as indicações mais consequentes: enquanto que os românticos e os pré-rafaelitas sublinhavam em Angelico o emotivo, o anti-racional, o ponto de contacto com Manet deve necessariamente deslocar-se do emotivo para o imediatamente sensorial, para o puramente ótico. No entanto, aí mesmo se estabelece o contraste entre os dois, forçando-nos a concluir que Angelico não pode participar do modernismo, tal como este se define em Manet: neste último, o puramente ótico é o lugar de uma instabilidade da imagem que se afirma como crítica, operando uma verdadeira rutura do simbólico. Em Fra Angelico, por seu lado, não há rutura no puramente ótico, mas, de algum modo, sutura. E não poderia ser talvez de outro modo, dada a posição histórica de Angelico. Mas, por outro lado, até que ponto a rutura operada por Manet nos é ainda acessível? Até que ponto a própria aventura do modernismo, nos seus múltiplos acidentes, não foi, ela própria, suturando as suas rupturas, reais ou em potência? O presente caso de Øyvind Kolås será mais uma peripécia – cujo desenlace é ainda incerto – nessa aventura.

 

 

Pedro Cabral Santo
Estudou Pintura e Escultura nas Faculdades de Belas-Artes de Lisboa e Porto, especializando-se nas áreas expressivas afetas à instalação e à vídeo-instalação. Em paralelo, nos últimos 20 anos, tem vindo a desenvolver as atividades de artista plástico e comissário de exposições.



:::


Notas

[1] Retirado do altar-mor da capela no século XVII, este retábulo foi posteriormente desmontado e disperso. Já no século XX, o retábulo foi reconstítuido, montado numa nova moldura, sendo os paineis esquerdo e central da predela, que se encontram no Museu do Vaticano em Roma, substituidos por cópias. O retábulo assim reconstituido encontra-se no museu de Perugia.
[2] Ver Ian Verstegen, «John White’s and John Shearman’s Viennese Art Historical Method» (Journal of Art Historiography, 1 (2009): pp. 1-16).
[3] Ver John Shearman, «Leonardo's Colour and Chiaroscuro» (Zeitschrift für Kunstgeschichte, 25 (1962): pp. 13-47), pp. 32-33, e p. 45, n. 57.
[4] A evidência experimental da possibilidade de sensações cromáticas em condições de visão escotópica tem-se acumulado nos últimos anos: ver Andrew J. Zele, e Dingcai Cao, «Vision under Mesopic and Scotopic Illumination» (Frontiers in Psychology, 5: 1594 (2015), pp. 1-15).
[5] Georges Didi-Huberman, «La Dissemblance des Figures selon Fra Angelico» (Mélanges de l'Ecole Française de Rome: Moyen-Age, Temps Modernes, 98: 2 (1986): pp. 709-802), pp. 759-765.
[6] Ulrich Middeldorf, «L’Angelico e la Scultura» (Rinascimento, 6: 2 (1955): pp. 179-194).
[7] Ver Carl Brandon Strehlke, Angelico (Milano: Editoriale Jaca, 1998), pp. 56-66. 

 

 :::


Bibliografia

[consultar Parte 1]