Links


ARTES PERFORMATIVAS


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO

RODRIGO FONSECA

2021-10-25



 

 

 

Silêncio estreou na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II dia 29 de Setembro. Esta peça resulta de vários encontros entre os dois artistas desde 2018, e conta com o apoio da iniciativa Temporada Cruzada Portugal-França. É escrita e encenada por Guilherme Gomes (que também actua) e Cédric Orain. O elenco é composto por João Lagarto, Marcello Urgeghe, Tânia Alves e Teresa Coutinho. Estivemos à conversa com Guilherme Gomes de modo a entender o processo de criação desta peça, as suas nuances e subtilezas, assim como o que representa.

 

******

 

 

 

© Filipe Ferreira

 

Rodrigo Fonseca: O silêncio pode ser algo apaziguador mas também profundamente perturbador. A ausência de uma resposta é esse lado perturbador? Ou também existe no desejo de silêncio esse lado? Esse fetiche pela penumbra, pelo escuro…

Guilherme Gomes: A ausência de resposta tem várias dimensões. Há uma que elogio bastante e que procuro muitas vezes praticar na minha vida: uma espécie de elogio ao enigma. Nas alturas em que nos damos conta de que há coisas sobre as quais não temos reposta. Por vezes a resposta é precisamente o silêncio, ou a passagem do tempo… Por exemplo: se olhares o pôr do sol ou se estiveres a despedir-te de alguém muito importante, não há palavras. No espectáculo há momentos destes, momentos em que de repente o enigma ou o inominável são o protagonista da cena. Apesar de não serem momentos apaziguadores, de certa forma, transportam consigo uma espécie de tranquilidade. Não são momentos agitados, violentos, nem claramente hostis, são momentos de dúvida e de interrogação — uma espécie de interrogação tranquila. O silêncio associado ao discurso violento está também exposto na peça. Foi algo que fomos explorando à medida que íamos escrevendo sobre o silêncio: criando discurso ou colocando palavras no lugar da sua ausência. Escrever sobre o silêncio é logo à partida traí-lo. Durante a escrita íamos pensando muito sobre o poder das palavras: quem é que pode falar, em que circunstâncias se pode falar, que linguagem usamos… Reflectimos sobre o poder da fala e do silêncio. Por vezes o silêncio não é um gesto, nem qualquer coisa que resulta de uma opressão, mas é muitas vezes um gesto opressor, como por exemplo, não dar reposta a alguém, ou não dialogar com alguém. Dialogar com alguém é reconhecer o outro: só discutes com quem tens vontade de discutir.

 

© Filipe Ferreira

 

RF: Nesta peça pretendem abordar estas várias qualidades do silêncio?

GG: Esta peça não tem uma pretensão sociológica, não pretendemos com este espectáculo representar o silêncio no nosso mundo, ou fazer uma espécie dos silêncios sociais que habitamos. Uma coisa é evidente: aquelas cenas tomam forma no nosso mundo. Por outras palavras, reconheces aquelas situações e aquelas personagens. Podias ser tu, ou alguém que tu conheces. Quando eu e o Cédric nos conhecemos começamos logo a trocar ideias sobre teatro, a partilhar experiências que tínhamos ao nível da criação teatral. Fomos ver espectáculos um do outro e reconhecemo-nos mutuamente. O encontro com o outro possibilita conheceres-te a ti próprio. Os encontros com pessoas novas provocam isso mesmo. Uma das coisas que reconhecemos foi que o silêncio tinha muita importância para nós enquanto criadores. Se o silêncio tem esta importância, vamos começar por pensar sobre isto, e à medida que fomos avançado, elencávamos uma série de ideias construindo uma espécie de antologia de cenas onde o silêncio tem a qualidade de provocar, de conflito. O silêncio é o berço das cenas, mas não é a sua exposição. Silêncio não é sobre silêncio, surge talvez do silêncio, ou vai resultar no silêncio. Sinto muitas vezes que o grande protagonista do espectáculo é o oposto do silêncio… O ruído talvez. O ruído porque tem em si um discurso criado sobre o silêncio. Cenicamente, colocámos diferentes camadas de separação entre o espectador e o espectáculo, uma das camadas é por exemplo a língua. O espectáculo é falado em português e em francês. O ruído acaba por ser o grande protagonista e chama-se Silêncio para que possamos olhar para a peça como um convite à procura do silêncio. O título cria no espectador o desejo de silêncio, e quando vê o espectáculo, está já com essa expectativa — existem personagens desta peça que vão ao encontro dessa expectativa.

 

© Filipe Ferreira

 

RF: Podes falar um pouco de como foi o processo da escrita do texto em conjunto com o Cédric Orain?

GG: Chegámos a um ponto em que duas pessoas podem viver a milhares de quilómetros de distância e ainda assim escrever uma peça juntos. O Cédric estava em Paris e eu estava em Lisboa ou Viseu — divido-me entre as duas cidades. Fomos trocando correspondência por e-mail, trocando ideias. Liamos as coisas um do outro e respondíamos de seguida, este foi o modos operandi — que na verdade, para mim, não é suficiente para escrever uma peça. As residências artísticas foram fundamentais para o processo da escrita. Deram-se em Viseu — onde tenho o projecto Creta — em Lisboa, em Montemor-o-Novo no Espaço do Tempo, e em Paris. Foram residências de escrita, de abordagem ao texto. O encontro foi e é fundamental para a criação — costumo dizer que não é por acaso que um grupo de teatro se chama companhia! O teatro faz-se em companhia, na companhia uns dos outros. O processo foi muito intuitivo, não foi estudado à partida. Fomos descobrindo à medida que escrevíamos. Houve uma coisa que achei muito curiosa: eu escrevo em português e o Cédric escreve em francês. Às vezes conversamos em inglês, para nos entendermos, o meu francês não é bom e o português do Cédric é inexistente (risos). Os textos têm que ser lidos na língua que vão ser falados, e por isso tivemos mais do que uma tradutora connosco a fazer o trabalho de tradução. Durante esse trabalho, fui percebendo muita coisa sobre escrita! De repente, lês qualquer coisa tua traduzida e dizes: isto não foi o que eu escrevi! E não é que a tradução seja má, o facto é que a tua ideia não era muito clara à partida. Começas a perceber pequenas subtilezas na própria escrita, que neste caso, é a tradução de uma língua para uma outra. O teatro é um exercício de tradução, traduz-se da página para o espaço. Estes problemas de tradução deram-me uma outra perspectiva sobre a escrita e a dramaturgia.

 

© Filipe Ferreira

 

RF: Podes falar-nos um pouco das qualidades e do tipo de texto que surgiu do processo que acabaste de descrever?

GG: Eu e Cédric escrevemos de maneira muito diferente. Ambos temos já um percurso na escrita de dramaturgia; o Cédric tem um percurso com a companhia para a qual escreve faz já muito tempo, e eu tenho escrito desde 2018, ano em que escrevi Que boa ideia, virmos para as montanhas — a minha primeira peça de teatro. A partir daí comecei a escrever todos os espectáculos do Teatro da Cidade ou a fazer trabalho dramatúrgico. As criações do Teatro da Cidade são, na sua maioria, criações colectivas. Todos nós escrevemos e provocamo-nos uns aos outros para escrever. Muitas vezes o meu trabalho é costurar o texto: colar, coser, encontrar um fio condutor. A escrita do Cédric é muito pragmática, ao passo que a minha é tendencialmente poética. No espectáculo não se sente que uma parte do texto é minha ou do Cédric — até porque não somos propriamente muito conhecidos. Silêncio não é meu nem do Cédric, é um espectáculo de alguém entre nós, do nosso encontro, e da companhia de toda a equipa artística.

 

© Filipe Ferreira

 

RF: Quais são as próximas datas da digressão internacional do Silêncio?

GG: A digressão é relativamente curta. De 14 a 24 de Outubro estamos em Paris; em Fevereiro do próximo ano fazemos duas apresentações em Valenciennes; a meio de Março apresentamos em Coimbra, e no início de Abril em Amiens (datas a anunciar).

 

 

:::

 

Rodrigo Fonseca
Licenciado em História da Arte pela FCSH/UNL, e pós-Graduado em Artes Cénicas pela mesma faculdade. Viajou pela Europa central, pelos Balcãs, América do Sul, e viveu em Itália, Grécia e Brasil. O seu trabalho artístico desenvolve-se na música e no corpo. Organiza e programa os festivais culturais Dia Aberto às Artes (Mafra) e Sintra Con-Cê (Sintra) e é membro fundador da associação cultural A3 - Apertum Ars e da editora CusCus Discus.




Outros artigos:

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS