Links

PERSPETIVA ATUAL


Cartaz Situação 21.


Luísa Salvador e Jorge Perianes. @ Galeria Fernando Santos- Pedro Lobo.


Vista da exposição Ária do Encanto. @ Galeria Quadrado Azul.


Vistas da exposição Pontas duplas / Split ends. © Galeria Presença - Carlos Campos.


Vistas da exposição Pontas duplas / Split ends. © Galeria Presença - Carlos Campos.


Vista da exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.


João Paulo Feliciano na exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.


Lee Ranaldo na exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.


Patrícia Almeida na exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.


Vista da exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.


Luís Palma na exposição We Want Electricity, © Galeria Pedro Oliveira.

Outros artigos:

2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



SITUAÇÃO 21: HISTÓRIAS COM AMANHÃ - UMA CARTOGRAFIA SOLIDÁRIA DA RELEVÂNCIA DAS GALERIAS DO PORTO



CONSTANÇA BABO

2021-04-28




 

 

 

A arte é uma potência que exprime a sociedade e o tempo. Por conseguinte, os espaços nos quais se instala são reflexo disso. As galerias assumem-se, pois, enquanto lugares de visibilidade, crítica, pensamento e reflexão, bem como de troca entre obras, práticas e plásticas, artistas, agentes culturais e público, criando constelações de imagens, ideias e coisas. Com efeito, como assinala Miguel von Hafe Pérez, “para além do vínculo primordial com os artistas que representam e expõem, as galerias de arte são produtoras culturais”, impulsionadoras de inovação, produção e criatividade. Ora, no caso da cidade do Porto, como o curador explica, foi esse sector que, durante anos, possibilitou ao público o contacto com artistas internacionais, algo fundamental tanto no campo das artes quanto na formação de conhecimento, de pedagogia e de uma massa crítica na sociedade portuense.

Hoje, vivido um ano de pandemia, o papel das galerias revela-se particularmente fulcral. Se, por um lado, a esfera do digital e das redes demonstrou ser uma alternativa eficaz à divulgação e à disseminação da arte, por outro lado, também se comprovou o quão importante é presenciar e partilhar o espaço com a prática artística. Como tal, abertas as portas e iniciado o desconfinamento, é momento de celebrar o retorno ao “real”, ao físico, ao contacto próximo com os objetos artísticos e os seus autores, às experiências estéticas, visuais, perceptivas e sensoriais in loco que se mantêm insubstituíveis.

O retorno da arte e da cultura às ruas do Porto é cumprido e assinalado por um projeto do consagrado curador Miguel von Hafe Pérez, cujos trabalhos primam, sempre, por atualidade, qualidade e valor, tanto no respetivo quadro conceptual como no conteúdo de que se fazem constituir. Intitulado Situação 21, trata-se do primeiro momento de uma iniciativa que se propõe dar continuidade no futuro, e que resulta de um exercício conjunto entre vários espaços, curadores e artistas. Como indica o comissário, procurou-se instituir um “diálogo profícuo com autores geracionalmente distantes”, mas os protagonistas são as galerias. Cada uma ficou ao critério e intervenção de um curador convidado, o qual foi desafiado a conceber uma mostra coletiva composta por uma conjugação entre artistas representados pelo respetivo espaço expositivo e novos nomes. Desse modo, reforçaram-se ligações e relações, ao mesmo tempo que se estabeleceram novas.

Inaugurado na passada quinta-feira dia 15 de Abril, o projeto conta com seis galerias: Fernando Santos, Presença, Quadrado Azul, Nuno Centeno, Pedro Oliveira e Kubikgallery. Sendo de igual importância a passagem em cada um destes espaços, aqui se incorre numa retrospetiva centrada na rua Miguel Bombarda, de reconhecida notoriedade enquanto centro do tecido galerístico do Porto. Nesse mesmo quadro, será também adequado definir enquanto primeira visita a Galeria Fernando Santos, a primeira a instalar-se nesta zona da cidade. Porém, começar pela exposição que nela se apresenta, justifica-se sobretudo por a mesma se distinguir, o que se deve ao mérito da curadoria de Andreia Garcia que, no contexto artístico atual, se tem vindo a destacar enquanto particularmente valiosa e exímia.

Com o título Contemporâneos Extemporâneos, lança, desde logo, um repto ao pensamento sobre o tempo. Como a curadora explana, somos todos, simultaneamente, testemunhos e produtos do passado, participantes no presente e procuramos antecipar o futuro, donde, somos extemporâneos. A mostra divide-se em quatro tempos, os do espaço, da estória, da matéria e da palavra, que se materializam em distintas áreas, entre as quais se propõe um percurso de cadência tão harmoniosa quanto estimulante. A exposição incita, de igual modo, a refletir sobre as condições da arte, tarefa hermética que se desvela sob a forma de um conjunto artístico igualmente desafiante. O mesmo somente é possibilitado, evidentemente, por meio dos artistas que se expõem, desde os residentes da galeria, tais como Avelino Sá, Geraldo Burmester e João Louro, aos que agora nela se estreiam, caso de Inês Teles, Teresa Esgaio e Luísa Salvador, esta última que se evidencia com uma obra extremamente sensitiva. Perfaz, assim, um grupo heterogéneo que traduz a própria pluralidade e densidade do conceito curatorial definido. Por certo, a arte é transversal ao tempo, manifesta-se dentro e fora deste, atravessa-o, rompe-o e projeta-se para além dele. E, como indica a curadora, “o universo da interpretação contemporânea apresenta um laço duplo que parte do contexto atual para logo se deslocar do anacronismo”.

Também os curadores Luís Pinto Nunes e Luís Albuquerque Pinho defendem, justamente, que uma “convivialidade atemporal” pauta a contemporaneidade artística. Com tal mote instalam uma Ária do Encanto – uma flor que talvez não distinga o céu e a terra, na Galeria Quadrado Azul. O subtítulo corresponde a uma inscrição num desenho de Álvaro Lapa oferecido a Manuel Ulisses, fundador da galeria. Já Ária tem como uma das suas definições tratar-se de uma peça musical que pertence a uma composição maior. Com efeito, os curadores assumiram o desígnio de retratar por meio de fragmentos cinco décadas da produção artística do Porto. O resultado que se apresenta cruza e relaciona, em interessantes dinâmicas, referências fundamentais tanto deste específico espaço como do contexto português, indique-se, precisamente, Lapa, com nomes mais atuais mas que já conquistaram o seu lugar no campo artístico, exemplo de Isabel Carvalho. Refira-se, ainda, que o resultado reflete o desempenho da parceria entre os curadores, a qual tem vindo a destacar-se nos últimos anos e, neste caso, não só faz jus à Quadrado Azul, espaço de relevância nacional, como lhe concede novos pulsar e ritmo.

Uma vez mais se recorre a Lapa, no que respeita um texto que acompanhou uma exposição sua na Galeria Presença, em 1995, onde indica que “Duplos são figuras cuja significação é a de representarem o sujeito que se vive por eles e se difere por elas”. Ora, é no contexto dessa mesma galeria que a curadora Aida Castro recorre a tal afirmação do artista, definindo-a enquanto um dos pilares que sustentam a sua coletiva Pontas duplas / Split ends. O título, sendo suscetível de várias interpretações, vê-se transcrito e justificado na mostra que se desdobra em surpreendentes instantes ao longo do espaço expositivo, construindo situações, precisamente, duplas, mas, simultaneamente, soltas. Ou seja, tratam-se de “pontas” que não se encerram em si mesmas, projetando-se espacial e conceptualmente em escalas, no limite, tão infinitas quanto as possibilidades da própria criação artística. Não obstante, como ponto de partida, expõem-se e exploram-se parcerias de pares, Helena Almeida e Lapa, Miguel Palma e Elisa Pône, Carlos Mensil e Diana Geiroto Gonçalves, ou seja, duos de maior renome que ilustram o valioso percurso da galeria e do país, juntamente com outros, expressivos da arte mais vibrante e atual. É, pois, no decorrer de um preciso exercício curatorial que, independentemente da primordial duplicidade que define a exposição, o modo como esta se instala e estrutura no espaço estabelece inúmeras relações, narrativas e encontros. As obras encontram-se, todas, em ativos diálogo, confronto e tensão, os quais não só configuram como lançam ao espectador várias experiências, visuais, percetivas e sensitivas.

Finda a Situação em Miguel Bombarda, refiram-se as restantes três exposições que constituem o programa de von Hafe Pérez. Desde logo, pois a cartografia da cidade assim o sugere, descendo a rua da Restauração, chega-se à Kubikgallery, onde o curador Samuel Silva apresenta Uteropias. Num percurso eclético, como é próprio da galeria, estreiam-se Catarina Real e Luís Ramos, apresentados a par de artistas residentes, como Pedro Tudela e Valter Ventura, estes últimos que se destacam pelo impacto da força exercida pelas suas obras agora expostas. Proximamente, na Pedro Oliveira, Susana Lourenço Marques inaugura uma coletiva cujo título We Want Electricity expressa, em primeiro lugar, uma relação com a música, mais particularmente com o rock n’ roll, mas que aqui se sugere interpretar enquanto a reativação da voz da arte, pois, recorrendo-se às palavras da curadora, we want electricity again. Com ponto de partida no acervo e no percurso histórico e expositivo da galeria, marco na cidade desde 1990, desenrola-se uma mostra com obras de artistas capitais da casa, mas também do contexto artístico português, tais como Carlos Lobo e Luís Palma, a par de outros que mais recentemente se revelam, como Patrícia Almeida. 

Por fim, mas não por isso menos imprescindível de visitar, refira-se a exposição da Nuno Centeno, pela mão do curador Pedro de Lano. Como o próprio título sugere, Os conviventes, ergue-se a partir de convívios e associações, mas também de ideias e memórias de importantes referências não só da galeria como do panorama artístico nacional, caso de Mauro Cerqueira e Silvestre Pestana. É com esses artistas que se interligam outros que, nos últimos anos, também se têm vindo a demonstrar enquanto estruturais no contexto artístico contemporâneo, refira-se Carolina Pimenta, cuja obra fotográfica não cessa de surpreender. A exposição na galeria Nuno Centeno corporifica-se por meio de retratos, olhares, corpos e presenças.

Em última nota, assinale-se que, como Miguel von Hafe Pérez pretendia, a estreia do projeto Situação 21, do qual se espera já contar com um segundo capítulo, anuncia, manifesta e afirma o reerguer do sector da cultura e da arte do Porto. Como tal, afirma-se enquanto indispensável a sua descoberta, passível de se concretizar até ao próximo dia 5 de junho.

 

 

 

Constança Babo
Doutoranda em Arte dos Média na Universidade Lusófona do Porto e bolseira FCT, tendo como área de investigação o objeto artístico dos novos média e os seus modelos expositivos. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e licenciada em Artes Visuais - Fotografia pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos.