Links

PERSPETIVA ATUAL


Créditos: NAS//CXC/M.Weiss




Outros artigos:

2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



SUPERNOVA _ O FASCÍNIO DA CULTURA



VICTOR PINTO DA FONSECA

2021-03-17




 

 

 


Un jour on saura peut-être qu’il n’y avait pas d’art, mais seulement de la médecine, J.M.G. Le Clézio. 

 

 

Dividirei este texto em duas partes — na primeira, tentarei fazer uma análise conceptual da dialéctica ciência e cultura. Uma segunda parte, tem por objectivo uma investigação crítica da complexa situação actual no contexto nacional para que se note a fragilidade da relação da cultura com a política e a sociedade e se procure na verdade o que está por trás. 

 

 

Um inacreditável fogo-de-artifício cósmico:

A fase paroxística em que as estrelas morrem, produzindo efeitos verdadeiramente espectaculares, tem um papel decisivo na formação do nosso sistema solar. Vale a pena descrevê-la: Um clarão de luz ofuscante atravessa o céu. De tal forma espectacular, que os terrestres inadvertidos, a milhares de anos-luz de distância, quando, no devido tempo, o avistarem, pensarão que aquele ponto luminoso, que apareceu inesperadamente no céu, não assinala a morte de uma estrela, mas indica o nascimento de um novo astro a que eles chamarão "nova estrela" ou "supernova". O espanto será universal e o fenómeno será registado nos anais, considerado um sinal de má sorte ou boa sorte, dependendo do caso e das conveniências. 

Guido Tonelli: Da mesma forma que a força de Zeus lança os Titãs no abismo, a gravidade, enfurecida por causa de todo o tempo perdido a lutar contra a força nuclear, agastada porque esta a privou até aqui da sua supremacia, vinga-se e celebra o seu triunfo com um assustador grito inaudível, que dilacera a estrela e arremessa os seus fragmentos no espaço a velocidades monstruosas. "Genesis - A História do Universo em Sete Dias", p.150.

A explosão de uma supernova é um dos espectáculos naturais mais incríveis que a nossa mente pode imaginar, mas é sempre bom que não aconteça muito perto de nós.  

— Desde a origem do Universo, de alguma forma todas as coisas materiais tiveram um início e terão provavelmente um fim (mas não a um mesmo ritmo): É uma consequência das leis da natureza [da fisica]! Mas deixem-me dar-lhes o antes que nos permite pensar através do tempo... Se recuarmos a 1927, Georges Lemaître está nos seus trinta e três anos, é um padre católico, formado em Astronomia, em Cambridge, e está a concluir o seu doutoramento no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). O jovem cientista é um dos primeiros a compreender que as equações de Einstein podem também descrever um Universo dinâmico, um sistema de massa constante, mas em expansão, isto é, cujo raio aumenta com o tempo. Quando ele apresenta a sua ideia ao mais antigo e preeminente colega, o comentário de Einstein foi tremendo: "Os seus cálculos estão correctos, mas a sua física é abominável". O preconceito milenar da concepção do Universo como um sistema estacionário está de tal forma enraizado, que até a mente mais elástica e imaginativa da época rejeita a ideia de que ele possa expandir-se e de que, por isso, tudo tenha tido um início. Foram precisos anos de discussões e confrontos ferozes antes de esta novidade extraordinária se afirmar entre os cientistas, para se tornar do domínio público.

Com a descrição destes acontecimentos extraordinários, o que a ciência faz é procurar entender a natureza, tornar-nos sensíveis à mudança (a um Universo dinâmico, em expansão), à inevitabilidade do desaparecimento. Dá-nos a noção de como tudo é matéria [efémero]. Todos nós somos "matéria" baseados no elemento químico carbono. O carbono é um componente-chave de toda a vida que ocorre naturalmente na Terra. Ele está presente em todas as formas de vida conhecidas e no corpo humano, como elemento básico. 

Agora as coisas ficam muito mais claras. Não podemos ignorar que o ser humano está profundamente ligado com a realidade de toda a vida Universal. Em qualquer experiência, estamos posicionados no mundo: dentro de uma mente, de um cérebro, de um lugar do espaço, de um momento do tempo. De facto, à medida que o mundo muda, nós, como suas partes, mudamos junto com ele. O ser humano não consegue pensar um lugar 'fora' da vida/ do mundo, está inevitavelmente dependente do tempo. (É fundamentalmente estruturado pela sua temporalidade.)

Com esta perspectiva, a sua relação com o tempo e a cultura parece insuperável. A Cultura construída ao longo de milhões de anos assenta na consciência da morte, no termos conhecimento que vamos morrer um dia. É o factor crucial que nos fez chegar aqui: que nos leva à origem do pensamento, ao cérebro — o cérebro permite-nos pensar, essa especificidade extraordinária de raciocínio e criação, concebido no nível cognitivo puro. A cultura, é pois, informação para o cérebro. Sabemos através de sinais, que a memória, a criatividade e a imaginação estão ligadas, partilham os mesmos processos neuronais, e têm lugar nas mesmas áreas / partes do cérebro. Estamos definidos pela cultura (pela actividade do cérebro). Pelas nossas mentes e não pelos nossos corpos. Tudo o que somos são os nossos pensamentos, memórias e emoções, o nosso sentido de identidade.

Stendhal, escreveu sobre a sensação de quase ter desmaiado diante dos frescos da Renascença na Basílica de Santa Cruz, em Florença, onde sentiu "uma espécie de êxtase" de ser absorvido na contemplação da beleza sublime. Arrebatamento [conhecido como Síndrome de Stendhal], que fez o seu coração bater tão rápido, que Stendhal pensou que iria entrar em colapso. Pierre Le Marquis, atribui essa reação, ao seu cérebro penetrado por emoções estimuladas pelo aumento da adrenalina [no] seu sistema nervoso visceral, podendo uma obra de arte, produzir novos estímulos para áreas do cérebro, que raramente são ativadas. "L'art qui guérit", p. 66.

Diferentemente das ciências ditas exactas, que aspiram a um ponto de vista comum onde possamos estar de acordo (a experiência como critério de verdade), o conceito de cultura e arte nasce do devir humano, das mudanças pelas quais passam as mulheres e os homens (envolve a vida do ser humano). No entanto, pode ter também rigor científico, um rigor próprio do domínio humano: alcança esse rigor ao "densificar", entrecruzar, os seus referentes, que permitem (só eles raciocinar sobre outros pontos de vista) outras formas de conhecimento do mundo.

A dialéctica ciência e cultura, na verdade, um relacionamento romântico, o mundo cultural e o mundo científico, a possibilidade de evoluir com as humanidades, a arte e a ciência integradas, com o pensamento e a produção de conhecimento totalmente incorporado em todas estas dimensões. Tendências diferentes mas que se inspiram — movidas pela curiosidade sobre a natureza e pela curiosidade sobre a condição humana (factos vs subjectividade e metafísica). É o tipo de inteligência humanista, gerada pela inter-relação, interpenetração de ambos [o raciocínio científico per sie e a intuição], e sermos muito produtivos. Simbiose que nos ajuda a perceber o mundo à nossa volta, a prever /projectar o futuro, para nos ajudar a sobreviver com qualidade de vida. E que nos faz avançar.

Onésimo Teotónio Almeida: Barradas de Carvalho diz que De Leonardo da Vinci não sabia latim. Todavia, Kenneth Clark diz que foi mesmo o período da grande viragem da sua vida, esse em que estudou latim. "O Século dos Prodígios", p. 78.

 

Segunda Parte - O Paradigma Português 

É o estudo da cultura, a tendência para privilegiar as letras, a descoberta dos antigos [o consumo da literatura histórica], e as artes (a abstração do âmbito artístico), que faz nascer a ideia da competição com os clássicos e alimenta pelos séculos adiante a actividade criadora. A cultura alimenta a criatividade: É uma fonte/ jazida inesgotável de criatividade que traz o passado e o presente em simultâneo para as outras áreas do saber, da ciência à filosofia e à matemática, e noutras direcções interpretativas, da criação artística à criação tecnológica, contribuindo para a economia e o emprego, de uma forma decisiva. A ciência historicamente não está completa sem a cultura / a cultura está incrustada na ciência.

No entanto, de tudo quanto hoje se sabe a dialéctica cultura e ciência e o seu grau de interferência /relação com a sociedade nunca foi muito forte, em Portugal. Nunca houve propriamente um conflito entre a política e as humanidades e as ciências exactas mas faz-se constantemente silêncio sobre a crónica incapacidade e ignorância do Estado para investir na cultura e na ciência, educação que nos permitiria alcançar qualquer transcendência ou um equivalente que fizesse o país dar um salto.
Sabemos que o poder político inviabiliza historicamente a educação da cultura oferecendo um exemplo [paradigmático] de conservadorismo e dogmatismo. Se compararmos outros países da Europa, vamos encontrar uma preocupação cultural incontestavelmente muito superior. Estamos conscientes hoje do significativo atraso cultural do país, como sabemos ainda que a arte e a cultura são fundamentais para o sentido de comunidade e coesão social, e tudo o que está relacionado com o bem estar da história.

A pergunta mais importante a fazer - o que deve primeiro ser questionado - é porque razão um grande número de responsáveis políticos... Bem, a maioria dos responsáveis políticos, não acredita na cultura?

O questionar, é o aspecto da vida que está ligado à dissidência, ao desacordo, visa levar-nos para um território onde nunca estivemos antes, um espaço no qual as questões, as contradições, os confrontos, os conflitos e os encontros podem ter um lugar, mas cujo objectivo não é o de oferecer deliberações políticas; aquilo a que chamamos questionar não é neutro, haverá uma dimensão política mas não é um regime de política activa, não reside na ideologia ou na consciência alienada, não procura aconselhar, não se trata de poder (as suas práticas não estão enraizadas no poder, não tem relações com teorias que respondem a critérios ideológicos), mas de criar atrito e impulsionar novas ideias. 

Esta segunda parte representa uma análise crítica: Está interessada [no presente] em questionar qual o contributo dos responsáveis políticos para a construção da cultura e qual o nosso próprio papel para a edificação do pensamento crítico. Não pretende mais do que usar a história para entender o que está a acontecer connosco agora!
 O certo é que ao longo das décadas, no momento da verdade, governo para governo, têm tido uma visão grosseira ao lidar com a cultura. Indubitavelmente a cultura não é (nunca foi) uma prioridade / vocação para os políticos.
Ainda há menos de meio século com o 25 de abril e o fim do Estado Novo (após cinco décadas de trevas) pensávamos que os governos democráticos ficariam mais sensíveis à educação da cultura, influenciando os portugueses a ascenderem à cultura e a não terem receio de lidar com o pensamento crítico. No entanto, vou somente recordar que não foi exactamente o que aconteceu: antes tudo se vem passando como se admitíssemos, que os governos democráticos fazem melhor que os seus antepassados, que conhecem  o significado da educação da cultura, o poder da construção criativa, a maior fonte de inspiração para o crescimento. Embora o acesso à cultura seja mais aberto do que em qualquer época anterior, e dados estatísticos revelarem níveis de educação nunca antes alcançados, os números actuais permanecem muito baixos em relação aos países mais desenvolvidos da Europa. Portugal não deixou de ser Portugal [dos pequeninos]: A cultura com o passar do tempo sempre foi vista com desconsideração... nunca chegou realmente ao poder: A História revela-nos que os responsáveis políticos são alheios ou contrários à cultura. E assim se movimenta o país ao longo da sua história!

Naturalmente, em Portugal há Museus e Bibliotecas, e pequenas e novíssimas estruturas de arte, que fazem parte contudo da cultura do país. A política cultural, no entanto, tanto nos conteúdos como nos seus orçamentos, parece proceder da estratégia megacionista do antigamente no modo de lidar / interpretar o pensamento crítico como se a ausência do questionar continuasse a ser em muitos aspectos o cúmulo da vanguarda. 
O pensamento crítico não consiste em dois e dois serem quatro e outras pequenas verdades que temos em mente: não está em nós, somos nós que estamos no pensamento crítico — Ele advém-nos, desvenda-se-nos se formos educados nesse sentido. Sem ele seríamos invisíveis! (Para representar uma análise ainda mais catastrófica prevê-se que a pandemia - cujos efeitos podem levar semanas, meses, ou até mesmo anos - acelere o processo de desintegração, dissolução da cultura... Acelere o momento da cultura dizer adeus!)


Mas será absolutamente necessário produzir-se arte e cultura? 


Pode até conceber-se que os políticos se restrinjam a ignorar perpetuamente a cultura; pode objectar-se perfeitamente que a exigência da cultura irá provavelmente ser substituída por uma outra melhor... Pergunto-me então o que poderá ser este país se um dia acordássemos todos nós e descobríssemos que somos absolutamente incapazes de ser educados culturalmente... Esta imagem é ao mesmo tempo tão futurista e incrível que ninguém a toma em consideração e nem sequer se preocupa com isso. Chegados a esse momento (o momento do ensino da cultura dizer adeus), do ponto de vista do país as implicações / correlações no espaço e no tempo são variadas: a implicação imediata é que a ignorância expandir-se-á sob diversas formas... Nos anos por-vir existirá apenas progressivamente mediocridade: lentamente o país libertar-se-á da sua educação da cultura até se degradar, tornar imemorial, país inerte, invisível, desumanizado, em declínio acelerado - do qual desaparecerá todo o tipo de pensamento crítico, toda a cultura, arte, literatura, história e ciência. (O nosso sentido de identidade.)

De certa forma, esta visão não deve surpreender, dado que, muitos de nós em Portugal, somos historicamente vítimas de más lideranças políticas, que desempenham um papel importante no atraso cultural. Foucault: Sei perfeitamente que me encontro inserido num contexto. "Foucault, o pensamento, a pessoa", Paul Veyne, p.88.

Quando somos criados com um défice cultural ou num contexto decadente esse mal-estar fica mergulhado em precariedade e instabilidade; tendemos a preencher as lacunas com a improvisação, a solução fácil, mas não necessariamente a certa, para construir suposições rápidas e muitas vezes erradas. A precariedade não permite que a vida / o trabalho progrida naturalmente / harmoniosamente, e isso é muito importante. 

Não acredita? — O atraso cultural não é um fenómeno que surja do nada, é estrutural, assenta na acumulação de erros de governação. Sabemos que recentemente o Parlamento Europeu recomendou que pelo menos 2% do programa de recuperação e resiliência (PRR) dos Estados membros sejam dirigidos "especificamente" para os sectores culturais e indústrias criativas. No entanto, o plano de recuperação e resiliência do governo português não define a cultura como dimensão estruturante! O erro é o governo ter uma visão errada, é pensar que a política se encontra a montante da cultura. Mas será uma verdade inevitável que a cultura não virá a beneficiar de investimentos do PRR, estará irremediavelmente excluída de acessos aos fundos do PRR? 
— A verdade será sempre como estamos dispostos a pensá-la: A verdade é uma e muitas, cada afirmação sua verdade. Certo, certo, no entanto, é que o PRR não assenta na cultura, a cultura não receberá investimentos directos do PRR, para que se possa aproveitar todo o seu potencial. 
No entanto, é dito pelo PM que a cultura pode aceder aos programa transversais ao PRR. António Costa refere também q o projecto PRR assume claramente a importância estratégica da cultura em dois programas centrais para o aumento do potencial do nosso país... Ora, acontece, que no projecto PRR não existe um a priori cultural: não é conhecida a visão do ministério da cultura. O projecto PRR e o Ministério da Cultura são independentes um do outro: não existe nenhum elo recíproco/ mútuo conhecido. 

Que contributo dá então o Ministério da Cultura para este programa? Investimentos em eficiência energética ou na infrastrutura digital dos agentes culturais são exemplos óbvios? Ou fazer constar só por si a produção cultural nas, "Agendas / Alianças Mobilizadoras de Investimento e Inovação", como área estratégica que integra um programa de investimento em criatividade e inovação, assim como no campo das, "Qualificações e Competências" [promover e apoiar iniciativas com vista a aumentar a formação superior dos jovens nas áreas das ciências, tecnologia, engenharia, matemáticas e artes], é uma estratégia original de relacionamento do Ministério da Cultura com o PRR? 
— Quanto muito o primeiro ministro terá uma ideia empresarial da cultura, mas essa não é a resposta, pois programas e investimentos pontuais não atingem o alcance e a propriedade características de um financiamento sustentado para as Artes e para as Humanidades (de uma autêntica ruptura com os orçamentos de estado e com as políticas com base nele formuladas), de apoio a organizações culturais sem fins lucrativos, serviços museológicos e Bibliotecas, uma nova atitude revolucionária em termos de mentalidade.

Não é o mesmo que receber investimento directo e o compromisso do governo eleger a cultura como uma das áreas estruturantes — Antes, só indicia que o primeiro ministro não estava investido no investimento na cultura. Desejava saber que relação tem realmente o ministério da cultura com o PRR. Em breve o saberemos,
Ora, tudo o que foi dito na carta crítica do primeiro ministro é relativismo historicamente conhecido, retórica política: não se encontra nenhuma solidez que o projecto PRR assume claramente a importância estratégica da cultura em dois programas centrais para o aumento do potencial do país! É uma perspectiva vazia, a propósito da pandemia, para parecer o governo interessado e facilmente dar a gratificação instantânea de "ter feito alguma coisa".

 

A cultura é a chave do Reino:

É necessário abrir uma conversa sobre cultura. Tem de acontecer um activismo real a acontecer na sociedade, uma "revolução", e isso é algo que temos de ser nós a fazer. Para pressionar o governo tem de haver trabalho feito, para que isso seja verdade, e os políticos têm de ser realmente responsáveis se alegarem que a cultura é importante para eles. Os políticos parecem não ter ideias sobre os seus próprios relacionamentos com a cultura. Eles estão completamente inconscientes da importância da cultura. Se a cultura historicamente existe na maior parte com base numa estrutura de financiamento do Estado, queremos que esse financiamento cresça anualmente no orçamento de estado para a cultura, não queremos ser usados, enganados pela aparência. 

Segundo dados divulgados pela Eurostat em 2020, Portugal é um dos países a nível europeu que menos investe em Cultura - a média europeia é de 1% de investimento do PIB no setor; Portugal fica-se pelos 0,6%.

 

Quando e como haverá mudanças radicais e duradouras na política dos governos? 

— Pensar a cultura é um problema tão complexo tanto a um nível macro como a um nível micro que é preciso ter sobre o assunto uma linguagem concreta e tomar o termo num determinado sentido: Eu acredito na cultura. Perante uma mesma situação, as pessoas reagem de maneira muito diferente consoante a sua cultura, eis tudo.

Sobre isto, é muito importante saber para onde estamos a ir como sociedade. Porque não estamos a assumir um papel maior para agitar o status quo e fazer as coisas acontecerem de forma diferente? Temos tantas oportunidades para fazer as coisas evoluírem de forma diferente! A cultura é uma plataforma incrível de redes de associações / milhares de pessoas envolvidas: somos indivíduos e grupos que constituem uma espécie de círculo eleitoral. Temos recursos fantásticos para chegar ao público e falar honestamente com ele, sobre mudança e como é realmente relevante a cultura na qualidade de vida das pessoas e no desenvolvimento do país. Quanto mais compreensão cultural tiver o público mais apreciará as maravilhas da arte, da literatura, do teatro, etc., maior a sua admiração. (O que não nos deve surpreender.)

A escrita da história moderna é explícita e perentória: Temos de recuar ao longo dos séculos, para percebermos onde nos encontramos. 
— Estudos críticos sobre o nosso clássico atraso referem como obstáculos ao nosso desenvolvimento, Causas exteriores, religiosas e políticas e uma insuficiência. "O Século dos Prodígios", p. 278. Existem também alegadamente características comportamentais dominantes, que se supõe ser a causa fundamental, que permitiram o nosso atraso e o alargamento do fosso entre a modernização levada a cabo pelos países da Europa e a nossa estagnação, e por isso, convém sempre inquirir se a deficiência não provirá, também, de dentro. P. 279

Indubitavelmente, de um lado, estão os sucessivos governos (causas políticas que repetem uma longa história), que consideram a cultura sem valor, desprezam-na, porque simplesmente não é interessante ou porque ignoram ser a cultura uma das áreas mais prósperas nas economias desenvolvidas; do outro lado, temos as inibições íntimas de sucessivas gerações de portugueses de todas as classes e diversos graus de educação [com excepções aqui] que se assumem desapaixonadas de todas as paixões da cultura. 

 

Manifestamente a cultura e as artes não têm lugar dentro da cultura portuguesa:

Serão as nossas deficiências culturais, uma identificação psicológica do ser português, própria de um mesmo atraso, de uma mesma origem comum? E essa especificidade do nosso funcionamento é um absoluto que nos impõe a sua incurável presença? Tratar-se-á de características que se transmitem, estrutura genética derivada de séculos profundamente marcados pela constante decadência e imobilismo cultural, social, onde estamos agora, quando comparado com outros países de U.E?

Nada demonstra algo remotamente parecido a tratar-se do nosso destino, não existe nenhuma evidência/ associação científica sobre isso. (Mas, se nos sentirmos tentados a dar como verdade devemos religar-nos a um fatalismo.)

Para se criar uma razão genética tínhamos que descodificar os cérebros de uma amostra de humanos e criar um padrão — teríamos de ser capazes de registar a actividade de todos os neurónios do cérebro e decifrá-lo. (Gerando um conhecimento que revolucionaria a neurociência, tal como o Projecto Genoma Humano revolucionou a genética.)

Não falemos mais de avanços tecnológicos, de genes e características hereditárias, e do grande mistério que é o cérebro, mas, de património:

Portugal possui um vasto património de raízes cristãs. Não será certamente segredo que permanecemos um país historicamente fiel ao culto de Fátima, da religião do catolicismo, da sua moral e dos seus valores. (Quando se cobiça secretamente a mulher do próximo comete-se logo adultério no próprio coração.)
Um mundo patriarcal, uma ética religiosa conservadora, onde até políticos mais improváveis e vanguarda intelectual, costumam ter uma moral interiorizada própria das pessoas simples e colectiva na maneira de pensar, como habitualmente exige o espiritualismo [as crenças], mais do que as ideologias. 

É verdade que a influência da igreja católica na esfera social e política do Estado não parou de se construir, tendo-se adaptado à laicidade, à democracia e adaptado valores modernos, como a redução das disparidades sociais. A igreja e o Estado podem já não ser praticamente inseparáveis, como acontecia no passado, mas ainda hoje a moral religiosa une a nação através do cristianismo - basta acompanhar a comunicação social e o domínio da igreja sobre uma parte significativa da educação do ensino. Isto não quer dizer que todos os portugueses vão à missa, se confessem ou comunguem. Mas em certa medida a situação é enganadora: sente-se que a moral, a censura de tipo moralizador, continua a parecer verdadeira, e que o decoro e o medo proíbem o pensamento crítico, como também a educação religiosa controla a conduta das pessoas, embora o catolicismo contemporâneo seja menos exuberante — o que nos dá um carácter tímido e pouco visível, prosseguindo-se com a velha combinação de falta ou falsa liberdade de reflexão e crítica, que não nos oferece a possibilidade de mudar!

Nada do que fica dito implica a intenção de desmerecer a igreja: trata-se apenas de investigar o que necessita de ser explicado, o porquê desse fenómeno de uma deficiência de cultura, e da excessiva predominância da moral sobre a discórdia, particularmente sobre o pensamento crítico.

Seremos por natureza pouco capacitados para a reflexão individual? 

Não ignoro que a carência de uma tradição analítica, de pensamento crítico, uma ausência crónica de 'cultura' especulativa e questões de identidade portuguesa ou o modo de governar enquanto cultura, em boa parte, são factores incómodos de discutir, o que não deixa de exprimir uma espécie de causa perdida, de não vai acontecer. Porém, podemos vislumbrar, senão aquilo que somos, ao menos onde a sociedade está, onde ela esteve e para onde ela pode ir no futuro. O que vemos nós quando olhamos para a sociedade onde ela está no presente?
— Portugal vive numa casa antiga - construída com uma certa mentalidade conservadora que perdura -, onde se podem ver pendurados nas paredes velhos quadros pré-modernos hostis às narrativas modernistas. A arte e a literatura [a erudição] continuam fora de moda, prosseguem os velhos paradigmas: historicamente Portugal não é uma terra escolhida para artistas, escritores, historiadores que procurem respostas sobre o nosso atraso crónico, e pensadores de onde emergem obras ou teorias filosóficas marcantes. Tradicionalmente não questionamos os nossos insucessos. (E no entanto, Portugal é um dos países mais antigos da Europa).

Não é surpresa a incapacidade de acompanharmos a Europa evoluída e moderna, não é sem sentido, que continuamos, a cavar o atraso em relação à Europa: permanecemos uma terra/ nação de políticos hostis à educação da cultura, o que por si só, em si mesmo constitui um lenitivo. A história de várias décadas / séculos não se desvanecerá numa única geração, particularmente quando os orçamentos deploráveis da cultura, agem como placas de ressonância de precariedade, e logo, sobre a mente dos portugueses.
As coisas das amizades parecem ter grande primazia: talvez sejam devoções espirituais recordadas desde outrora, mas parecem representar não tanto um exemplo de Graça religiosa, mas sim de profunda conveniência, o pagamento de uma obrigação nacional. 
(O pais funciona literalmente dentro de uma comunidade de favorecimento e incorpora a comunidade.)

Esta é a atração para o abismo (o ancestral de todas as coisas) que não conseguimos alterar, de nos mantermos reduzidos à lógica de tudo é economia, a uma visão puramente materialista e tecnológica do país; com o pretexto de alcançar o crescimento por esses meios, criamos exactamente o contrário. Portugal é um país em que as desigualdades são essencialmente materiais: é o sentimento de distinção mais importante relativamente aos outros; esta falsa condição de segurança empobrece muito a vida, sem expectativas culturais, de crescimento económico, de qualidade de vida, baseados em momentos de resistência.

Agora e sempre, a precariedade (a pobreza dos financiamentos) é o grande desafio para a arte e a cultura [como para a ciência]:

A grande maioria dos nossos criadores [e cientistas] encontra-se em situação precária. A precariedade encontra-se ligada intimamente com o financiamento e o modo de governar: para desenvolvermos recursos humanos para trabalhar, capital intelectual para desenvolver projectos, além de capital material, precisamos de financiamento. Logo a captação de apoios financeiros é uma parte fundamental do trabalho dos criadores, e dos programadores culturais. No entanto, as taxas de sucesso / elegibilidade das candidaturas para projectos são muito baixas. A maioria dos projectos que concorrem para apoios não tem êxito [há uma cruel desproporção entre a complexidade dos processos e o número de projectos elegidos]. E quando passamos a maior parte do tempo na preparação de candidaturas - a perdermo-nos em vãs actividades - não estamos a mostrar trabalhos que nos permitem ver resultados e evoluir. Acresce que a complexidade das candidaturas é muito elevada mas os valores financeiros não são assim tão elevados. Há uma manifesta desproporção entre a dificuldade do processo e os apoios. De forma que tudo isto é uma situação difícil de gerir e de manter. Estamos constantemente no fio da navalha para perceber em que situação é que nos encontramos amanhã. A vida de programar a "Artecapital" e a "Plataforma Revólver" é toda esta instabilidade e precariedade. É importante explicar que o universo da arte contemporânea em Portugal está estagnado, limitado e triste; caminha orgulhosamente só e desconhecido em relação ao resto do mundo. A arte deve ser um processo de encontros e partilhas, de modo a haver um conhecimento e aproximação ao outro. Temos um grande problema no que se refere às relações internacionais. (Neste capítulo, o impacto do nosso afastamento internacional não é maior, porque pontualmente existe a possibilidade de concorrermos a concursos públicos com financiamento de outros países, que nos permitem a realização de projectos com artistas estrangeiros em Portugal, que nos aproximam internacionalmente: A "Plataforma Revólver", por exemplo, ao longo da sua história terá captado cinco vezes mais apoios de institutos das artes estrangeiros que da direção geral das artes em Portugal, em situações de concursos públicos, o que nos permitiu dar visibilidade à nossa programação no estrangeiro e forte motivação.)

Adeus precariedade, o futuro está aqui. A próxima década: 

Os grandes problemas, requerem um saber cultural e científico, que faz parte integrante da história. Temos de ser capazes de fazer melhor; para isso precisamos de uma nova mentalidade que não marginalize o mérito e o talento. (É incompreensível a baixa influência da meritocracia, da cultura e da ciência no país.)  A elevação da cultura tem o grande poder de dar sentido colectivo e isto é indispensável para todas as mudanças sociais e económicas - a educação da cultura deve pertencer a todos e, importante ainda, matéria obrigatória para a classe política -, para não andarmos atolados em "discursos" enganadores.
Mantermos uma visão fechada sobre a cultura sem perceber a sua importância central é profundamente inadequado, e só um discurso inclusivo pela cultura pode contestá-la. À falta de cultura, é verdade, que as redes de entendimento familiar, de amizades, a sistematização à partida, obstruem a meritocracia, a diversidade e o desenvolvimento de pensamento crítico. 

Qualquer português mediamente culto tem noção que para um certo nível de desenvolvimento económico e de mudança tecnológica haverá sempre diferentes sistemas económicos possíveis, diferentes formas de organizar a sociedade, a regulação da propriedade, o sistema de impostos, as fronteiras entre países e a relação entre eles [diferentes políticas e ideologias], temas que têm sido tratados até à exaustão, e vistos na perspectiva de um momento. Curiosamente em comparação com o espaço concedido à análise das razões económicas-políticas do nosso atraso, muito pouca atenção ou nenhuma tem sido dada ao estudo/ compreensão da determinante cultural/ artística, no fim de contas, a verdadeira determinante do nível de desenvolvimento e da forma de governar — factor determinante para mudar por completo o nosso atraso. É sobretudo por deficiências na área da cultura e da ciência  que não nos desenvolvemos, antes, nos degradamos, que nos anulamos. Não é assim tão profundo!

A evolução indica que temos de desenvolver um pensamento alternativo à política que se repete todos os dias e parece obsoleta. Não existe razão para separar a cultura e a arte da governação... é inaceitável a política não estar interessada numa mentalidade maior, multicultural e progressista. Não vamos fazer hospitais, escolas, fazer o que é preciso, se não tivermos uma economia dinâmica. E isso nunca vai acontecer num país sem cultura, à margem (estão interligados). O que vamos fazer nos próximos 10 anos? Continuar a viver sem investir na cultura? Esta política tem credibilidade? Vai ser sempre assim? Descriminar as pessoas segregadas para sempre? Afastar as pessoas porque não têm amigos, primos, cunhados? Acho que não! A História já mostrou que isso não resulta. O que sabemos realmente é que as coisas mudam, mudam sempre, definição que tem uma base física. Vamos estar abertos a essa mudança? A um novo paradigma de sociedade?

A cultura não é cara, cara é a ignorância. Não são os banqueiros que mostram a massa crítica que o país tem!

 

 

 

 

victor pinto da fonseca
Director da Artecapital - Magazine online de Arte e Cultura e da Associação Plataforma Revólver - Para a Arte Contemporânea.

 

 

 

 

:::


Bibliografia 

Guido Tonelli, GÉNESIS - A história do universo em sete dias, Edições Objectiva, 2020
Pierre Le Marquis, L'Art qui Guérit, Editor Hazan Eds, 2020
Paul Veyne, Foucault, o pensamento, a pessoa, Edições texto&GRafia, 2009
Onésimo Teotónio Almeida, O Século dos Prodígios, Quetzal Editores, 2018