Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


PUSSY RIOT APRESENTA PRIMEIRA EXPOSIÇÃO NUM MUSEU

2024-03-01




Nadya Tolokonnikova, cofundadora do anárquico coletivo de arte feminista Pussy Riot, anunciou a sua primeira exposição num museu no OK Linz Center for Contemporary Art, na Áustria. “Rage” irá destacar as peças de protesto mais recentes do grupo que confrontam a repressão patriarcal e religiosa e o regime agressivo de Vladimir Putin.

Um destaque da exposição será a apresentação de uma obra em vídeo que foi lançada logo após a prisão do falecido líder da oposição Alexei Navalny em 2021. Apelava à sua liberdade e à libertação de todos os presos políticos na Rússia, mas a filmagem da obra foi interrompida pelas autoridades e os seus participantes foram presos por “propaganda da homossexualidade”. O vídeo ganhou nova importância após as recentes notícias da morte de Navalny numa prisão russa.

“Durante a maior parte da minha vida, mesmo depois de dois anos de prisão, optei por ficar na Rússia, apesar de ter tido muitas oportunidades de imigrar”, disse Tolokonnikova. “Tentei mudar a Rússia, torná-la um país do qual me orgulharia – pacífico, próspero, amigável, democrático, amoroso.”

Em vez disso, Tolokonnikova disse que viu os seus “amigos serem assassinados e revoluções sufocadas sob as botas de Putin”, algo que muitos temem após a morte de Navalny. “O ato de rebelião mais radical hoje é reaprender a sonhar e a lutar por esse sonho”, acrescentou.

A exposição OK Linz destacará muitas das ações ativistas lideradas pela Pussy Riot ao longo dos anos. No centro está a performance de 2022 de Tolokonnikova, “Putin’s Ashes”, na qual queimou um retrato de Putin, recolhendo as cinzas em pequenas garrafas com 12 mulheres da Ucrânia, Bielorrússia e Rússia que também sofreram repressão e agressão ás mãos do presidente russo.

Ativista declarada, Tolokonnikova cresceu numa cidade remota do Ártico, na Sibéria, mas voltou-se para a arte performática ao mudar-se para Moscovo em 2007. Quatro anos depois, co-fundou o Pussy Riot e o grupo começou a realizar apresentações ilícitas ao vivo, acabando a ser presa e condenada a dois anos num campo de trabalhos forçados por interpretar o hino anti-Putin “Punk Prayer” numa catedral de Moscovo.

Refletindo sobre seus 17 anos de arte performática de protesto para o show OK Linz, Tolokonnikova relembrou uma mistura de “camaradagem, assédio, prisões”, bem como de grande dor.

Além de criar ações site-specific, as Pussy Riot também produziram esculturas e instalações, incluindo bonecas sexuais autorreferenciais vestidas com as balaclavas cor-de-rosa características do grupo. “Pick Your Poison”, um grupo de máquinas de doces coloridas, mas atraentes, que também estará em exibição na exposição, faz referência sarcástica à propensão de Putin para envenenar os seus oponentes.

Embora Tolokonnikova tenha deixado a Rússia, fazer exposições em museus no Ocidente não é isento de consequências. A exposição de 2022 “Putin’s Ashes”, que estreou na galeria de Jeffrey Deitch em Los Angeles antes de viajar para locais em Sante Fé e Dallas, colocou-a na lista de procurados da Rússia. Desta vez, ela foi acusada de desrespeitar as imagens cristãs por vender um NFT em que a Virgem Maria aparece na forma de uma vulva. A ativista é classificado como “agente estrangeiro” pela Rússia desde 2021.


Fonte: Artnet News