Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Burning in the forbbiden sea, 2011, Rui Chafes

Outras recomendações:

REVOLUÇÕES (1960-1975)


Júlio Pomar
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Casa Vale Ferreira


João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Casa de Serralves, Porto

os dias estão numerados


Daniel Blaufuks
MAAT, Lisboa

The touching of the wound


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

Kubik Comporta Coletiva


COLECTIVA
Kubikgallery, Porto

Portugal Ano Zero: livros de fotografia da revolução


COLECTIVA
Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira

ÀS ESCURAS


Rosa Carvalho
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Popalolo


António Palolo
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

INTROSPECTIVA. RESTOS, RASTROS E TRAÇOS


João Fiadeiro
MAC/CCB - Museu de Arte Contemporânea, Lisboa

MU SEKE 75


Renée Gagnon
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RUI CHAFES | JOãO TABARRA

O Peso do Paraíso | Narrativa Interior




CAM - CENTRO DE ARTE MODERNA
Rua Dr. Nicolau de Bettencourt
1050-078 LISBOA

13 FEV - 18 MAI 2014


INAUGURAÇÃO: 13 de Fevereiro

O Peso do Paraíso, Rui Chafes
Exposição antológica que abrange vinte anos de produção de Rui Chafes (Lisboa, 1966), um dos mais importantes artistas da sua geração. Figura de destaque do movimento de retorno à escultura que se verificou nos finais do século XX, a sua pesquisa da escultura em ferro aborda conceitos como o sonho, a morte ou a dor, criando um universo físico poderoso que exige um contacto direto com o espetador.

Narrativa Interior, João Tabarra
Narrativa Interior integra trabalhos realizados por João Tabarra (Lisboa, 1966) ao longo dos últimos vinte anos, incluindo uma série de obras especificamente concebidas para esta mostra sobre o uso, o poder e as possibilidades históricas da imagem. Com recurso a uma linguagem poética e uma disposição cinematográfica, esta exposição é também o lugar para uma reflexão crítica sobre o papel social do indivíduo, convidando-o a tornar pública a sua própria paisagem interior.