Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. © Galeria 111


Vista da exposição. © Galeria 111


Fátima Mendonça, Menina do Mar, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 42,6x41,8cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, A guerra, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 59x42cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, O Vento, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 55x42cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, Lágrimas, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 47,3x41,8cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, Diário-dias incertos, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 47,5x46 cm. © Artista / Galeria 111

Outras exposições actuais:

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

ARQUIVO:


FÁTIMA MENDONÇA

DIÁRIO - DIAS INCERTOS




GALERIA 111
R. Dr. João Soares, 5B
1600-060 Lisboa

14 JAN - 25 FEV 2023


 

 

Em Diário – Dias Incertos, os desenhos aderem à parede, aparentemente colados. Distribuem-se relativamente juntos, mas separados o suficiente para constituírem a sua autonomia. Os pregos que os seguram são quase invisíveis. Não se emolduram numa armadura de vidro e madeira – estão despidos, querendo agarrar-se ao grande branco para não caírem.

A obra de Fátima Mendonça constrói-se na incerteza – parece haver nela um tremor constante, uma ansiedade, talvez a vontade intrínseca de criar, aqui, sinónimo de expelir. A textura das suas composições, somatórios de cores sobrepostas ou violentamente traçadas, leva o papel, muitas vezes, a fazer-se pedra, numa plasticidade a lembrar a fase bruta de Dubuffet, como em Casa (semear). Será, no entanto, algo injusta esta comparação: na “ingenuidade deliberada” (nas palavras de David Santos) que o artista francês via como oportunidade de diferenciação formal, sempre veículo para uma teorização mais profunda, a obra de Mendonça não se parece preocupar com mais nada, para além do registo sincero, sempre intenso, das suas vivências ou pensamentos.

A palavra aparece constantemente associada ao desenho, signo de comentário ou jogo, dando lugar, por exemplo, ao humor jocoso: veja-se a última obra da exposição, um descrito Retrato de Perfil que é cabeça de um burro, ou o Cisne Brinquedo onde o processo de representação da boca de um cisne, parece ter levado a artista a notar a sua semelhança com um pénis, processo mental que se torna transparente no ato pictórico. No entanto, o universo de Fátima parece elaborar-se, sobretudo, no drama, no medo, quer pessoal ou contextual, mas sempre vivido intimamente: em A Guerra, faz-se uma obra cáustica, especialmente intensa, onde hélices de aviões distendidas parecem espinhos que espetam.

Ainda assim, o humor e o drama não são elementos isolados: alimentam-se mutuamente, tudo é passível de várias leituras. Estamos num universo fechado, sempre chocante na sua veemência, que se fez reflexo da vida, porque também é ele um diário, registo continuado de vivências. O título da exposição parece-me uma sincera definição do contexto de produção destas obras, mas, simultaneamente, a súmula conceptual de todo o trabalho de Fátima.

As obras que aqui vemos estabelecem relações concretas com temas já anteriormente abordados pela artista, como a mesma identifica na folha de sala: a casa, o autorretrato, o sexo. Especialmente, a casa que arde, aqui recorrente, esquelética, com chamas a trespassarem-lhe as vigas, como em Casa Protegida, contradição que pode ser aceitação do medo. Ou um cantileno desesperado para travar o pânico. Algures à frente, vemos uma casa preta, queimada. Nas suas claustrofobias parece ver-se o isolamento pandémico que originou a construção desta exposição.

Entre si, os desenhos estabelecem também mitologias fechadas, cruzamentos específicos que se constroem numa visão atenta da exposição: por exemplo, o final Retrato de Perfil parece cruzar-se com uma outra composição anterior, onde, num círculo, uma personagem tímida, embaraçada, é legendada como Cabeça de Burra. Os temas, mais ou menos aleatórios, vão voltando como memórias remoídas, trabalhadas insistentemente, obsessivamente pela cabeça da artista. A força e subjetividade com que se expelem parecem refletir a incapacidade de se conseguirem dizer por palavras. A vergonha de um mundo fechado feito pujança. Obras-catarse. Se quisermos evocar comparações, talvez o nome mais sensato seja o de Adília Lopes:

 

“Quando fomos apresentados
em pequenos
beijaste a mão direita
dela
a minha
viraste-a do avesso
para beijares a tua
o que fizeste
cortei a minha mão direita
como manda a Bíblia
e deitei-a fora
sou feliz porque sou inteligente”

 

Adília Lopes, Tu (pintado com o pé)

 

Fátima Mendonça, Dois murros, 2022. Lápis e pastel sobre papel, 42x42cm. © Artista / Galeria 111

 

As mãos são o elemento principal de uma das obras chave da exposição, Dois Murros. Aqui, não se cortam, mas, com semelhante violência ingénua, fecham-se fortes e femininas. Parece ver-se nesta obra de Fátima uma espécie de orgulho mais assumido, uma afirmação mais concreta – como nas suas representações de vulvas e clítoris, aqui também recordadas em novas composições. Para vermos estes Dois Murros, olhamos para cima como uma figura de adoração, grave: compõem um retrato sem cara, um par de mãos vincadas, rígidas, prontas para o soco, com as unhas pintadas de vermelho. O fechamento do pulso, disposto ao combate, é uma potência combustora pronta a ser devolvida. Por exemplo, ao visitante. À sua volta observam-se também momentos contemplativos, porque as obras de Fátima também o conseguem ser: um conjunto de papoilas emerge de um verde aguado, hipnótico; mais atrás, traça-se um presépio sob uma noite tranquila; desenham-se também várias árvores, hirtas ou emaranhadas, sempre com flores ou fruto.

Tudo é perpassado por uma impulsiva credulidade que faz cada cena – muitas vezes simples, apresentando só uma ação, um elemento, um cenário – assemelhar-se a um cromo numa caderneta agigantada, aqui aberta, espalhada. Não mencionei ainda os animais de estimação, as mulheres que choram, as caveiras, os retratos retorcidos e assombrados. O seu Diário é extenso, passível de várias colheitas. Escreve-se em pequenos contos filtrados por uma imaginação onde o surreal se torna apenas um verídico mental, mais intenso.

Uma bonita exposição de uma artista imperdível.

 

 



MIGUEL PINTO